A nossa ditadura

A geração dos nossos pais viveu a ditadura da censura. Não existia liberdade na forma como conhecemos hoje. Nem de longe. Lembro de ficar assustado a primeira vez que li a história sobre o irmão do músico Nei Lisboa, desaparecido em meio à repressão. Depois nunca mais consegui ouvir uma das músicas do Nei do

Você sabe com quem está falando?

Amigos, compartilho com vocês artigo que escrevi sobre Comunicação Interna e que foi publicado na última edição da revista Super Sul, especializada em varejo, com circulação na região Sul. O link a seguir leva para o meu blog sobre Comunicação: http://j.mp/nJ67no Boa leitura!

Sobre internet e postes de borracha

Para o lamento de todos, as fragilidades, as fraquezas e as dificuldades de agências de marketing digital, de empresas e de veículos de comunicação são os mesmos de antes do surgimento das mídias sociais.

Você já conhece as mídias sociais

Olá, é com orgulho que compartilho com vocês um artigo meu publicado na revista Super Sul deste mês. A revista é voltada ao setor supermercadista. O tema do artigo é mídias sociais e negócios. Boa leitura! *** Você já conhece as mídias sociais* Sim, meu título é uma afirmação e não uma pergunta. Há alguns

O sorriso do Jeison

Não lembro exatamente o dia em que escrevi o texto abaixo. Foi por esses dias, três anos atrás. Ele serviu especialmente para marcar a época da minha formatura em Jornalismo e também para participar de um concurso do blog do David Coimbra, da RBS.  E não é que consegui ver minha crônica publicada lá? E

Eu acho que as mídias sociais darão certo

Não sei aí onde você está, mas aqui onde eu estou, a moda que pegou – e até já enjoou – é a de colar adesivinhos na parte traseira do carro com desenhos que representam as nossas famílias. Famílias felizes. Tem de um tudo, como diz um amigo meu. Homem de mãos dadas com uma

Um texto que queria ter escrito

Mas não escrevi. A autora é a jornalista Claudia Laitano, do jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Recomendo. *** Conhecimento geral Sumiram as enciclopédias, e com elas seus distintos vendedores – sujeitos capazes de convencer até quem nunca comprou outros livros na vida de que aquelas vistosas coleções, com capa dura e letras douradas, valiam