Espelho meu: Carla Maria Beal

5 comments

Desde muito cedo, Páscoa pra mim significa liberdade. Não a liberdade de quem saiu de uma penitenciária; nem a liberdade de quem deixou de trabalhar em um regime análogo ao escravo. Liberdade mesmo. Como cristão, procuro aprender com o comportamento de Jesus Cristo, que, vencendo a morte, nos deu provas de que é possível vencermos coisas bem menores que ela, como a insegurança, o medo, a tristeza, a preguiça, a intolerância, o desrespeito, o preconceito. Pode-se viver apesar de tudo que nos faz mal e faz mal a quem está ao nosso redor. Isso é liberdade.

E sabe porquê essa introdução está aqui, neste post em que entrevisto minha dinda Carla Maria Beal? Porque a minha dinda Carla, até antes da Páscoa, quando a Páscoa ainda era só chocolate pra mim, a Carla já era um símbolo de liberdade. Minhas memórias são da infância. E a memória de uma criança deve ser tão sincera quanto a própria criança. A Carla é liberdade pra mim pelo seu jeito, pelas escolhas que fez, pelas filhas que criou, pela pessoa que é, pela massa ao pesto que cozinha.

Este verão, tive o prazer de revê-la depois de muitos anos. Acho que eu ainda era só uma criança quando tínhamos nos encontrado pela última vez. E comprovei que a memória dos pequenos é mesmo muito honesta.

Não conheço a fé da minha dinda; nem sei se é a mesma que a minha. Isso minha memória não guardou. Mas este é o meu post de Páscoa. Porque Páscoa é, antes de tudo, acima de tudo, liberdade. Uma liberdade que te faz bem e que faz bem aos outros. Uma liberdade que faz acreditar que está nas nossas mãos o rumo das coisas ao nosso redor.

Ah, o aniversário da Carla, comemorado neste Sábado de Aleluia, foi o motivo que me fez tirar da gaveta essa entrevista inédita concedida pela Carla à Uzina em fevereiro de 2010, quando ainda morava na Itália.

Boa leitura!

***

Minha dinda Carla

Nome completo:
Cala Maria Beal

Idade:
45 anos, 46 em 23/04/2010

Onde nasceu:
Luzerna, antigo distrito de Joaçaba, hoje município (uau!).

Onde mora hoje:
Mini apartamento na Via Picà, n. 2, Santo Andrea, Castelfranco Veneto, Italia.

Porque a Itália pra morar?
Pelo desejo de mudar tudo, encontrar alguém dentro de mim e dar valor a esse.

Há quanto tempo estás fora do Brasil?
Dois anos (dois verões e um inverno que parece não ter fim).

Pretendes voltar para morar aqui no Brasil? Onde?
Sim. Desejo uma casa com varanda, flores na janela, vizinhos simpáticos pra conversar. SC, Ceará, não sei meu futuro. O presente é incerto.

O que já conheceste aí? Que países? Que lugares bonitos?
Na Itália, visitei cerca de 50 pequenas cidades ou vilas (sempre de bike). Estive na Croácia e amei as montanhas de lá, o vento frio, água do mar limpinha, organização e higiene. Visitei “Luzerna” na Suíça, me senti em casa e feliz. Fui na Alemanha, Immenstad. A grama deles é bem mais verde que a nossa!

E o que de bom já comeste?
Na Italia: a pizza, onde quer q vc vá a pizza á boa de doer. Na Croácia: arraia assada na grelha e verdura refogada (bem diferente da nossa, mas boa). Na Suíça: brezel, rosca crocante, saborosa e cheia de sal grosso grudado. Na Alemanha: wurstel (salsicha cozida na água), boa mesmo!

O que significa Luzerna pra ti?
Ponto de partida, ninho, fogão à lenha, escola de primeiros voos.

Se fechas os olhos e pensas na paz, que lugar vês?
Vejo um lugar onde todos são iguais, onde não existe fome, nem dor. Onde a justiça não se discute, existe e pronto.

E a minha avó, a dona Araci, que lembranças tens dela?
Papos longuíssimos, histórias incríveis e irresistíveis. Aventuras de menina q sabia o que queria e fez o que quis, no seu possível. Tive o carinho e a atenção dela, retribuí na mesma moeda. Saudade, tanta.

A palavra mais bonita da língua portuguesa:
Alimento. Abundância dele e distribuição igualitária.

A mais bonita em italiano?
Auguri! (saudação que deseja sorte, felicidade)

A mais feia:
Cattiveria (maldade)

O pior defeito da nossa sociedade:
Desrespeito aos direitos humanos. Acabei de ler sobre campos de extermínio. Não durmo bem depois disso.

Como achas que os outros te vêm?
Alguns me vêem como alguém solar (alegre) e riem comigo, outros só me veem de leve, não me ouvem, não têm tempo pra perder, têm pressa, mal sabem eles q vamos em círculo, melhor rir de nós mesmos e com os outros. O tempo passa voando, é bom aproveitar a brisa.

Qual tua idéia de domingo perfeito?
Acordar com as galinhas, ir à missa à pé. Cantar e meditar. Voltar pra casa, comer churrasco e maionese com amigos e família

O que queres estar fazendo e onde queres estar vivendo com 60 anos?
Quero estar andando de bike numa estrada segura, com mto vento na cara. Pode ser na China.

Como desejas que as Pupis estejam com a idade que tu tens hoje?
Felizes, saudáveis e cheias de ideias coloridas, barulhentas e risonhas.

O que é o amor?
É olhar nos olhos, sentir com os olhos, tocar com os olhos.

Qual tua memória mais antiga?
Um filme q não lembro quase nada, mas eu tava com meu pai no cinema em Luzerna, feliz da vida, era domingo e chupei picolé na saída.

Qual tua idéia de felicidade?
Ter trabalho, fazê-lo com prazer, ganhar pra fazê-lo e fazer sempre.

Onde gostarias de viver hoje?
Num lugar onde eu nunca fui, mas ter comigo quem é feliz perto de mim.

Onde gostarias de passear agora?
Em Viena, numa praça cheia de história.

O que deixarias de fazer se a Internet acabasse?
Usaria mais o telefone, gastaria mais créditos pra falar com meus amores do Brasil.

Se pudesses eternizar alguém, quem seria?
Eternizaria a memória, a consciência coletiva. Sei que ninguém é eterno.

O que é a morte pra ti?
Ritual de passagem obrigatória, onde as lágrimas lavam a dor da saudade.

O que tu fazes que te dá muito prazer?
Faço paredes de papel. Tinjo lençóis e fronhas. Estendo roupas pra secar. Adoro varais cheios ao sol e ao vento.

O que fazes para espantar a tristeza?
Ando de bike em velocidade, adoro adrenalina natural produzida por mim.

Um filme:
Forrest Gump

Um livro:
Il treno dell’ ultima notte (Dacia Maraini, fortíssimo)

Um cheiro:
Basílico (Mangericão)

Um lugar:
A vista da minha janela, cruzamento em frente à minha casa.

Um site:
Google, meu parceiro fiel.

Uma coleção (que tens ou já tiveste):
Gravuras, fotos da expressão facial feminina.

Um doce:
Doce de abóbora, que fazia minha vó.

Uma bebida:
Cerveja Franssiscanner, uma alemã q se bebe aqui, é a melhor q já bebi até hoje.

Um prato:
Pizza di radicchio di treviso. É incrível como uma verdura na pizza pode ficar fantástica assim!

O que já cozinhou de mais extravagante?
Pé de porco com repolho refogado. É feio, mas é bom!

O conselho que nunca esqueceu:
“Com a verdade não se engana ninguém!”, dizia sempre meu velho pai, Paulo Beal

Um pensamento:
“Quem tem boca vai a Roma, Paris, Nova York… mas, em boca fechada, não entra mosca!”

Juliano RigattiEspelho meu: Carla Maria Beal

Related Posts

5 comments

Join the conversation
  • Carla Maria - 25 de abril de 2011 reply

    Oi querido afilhado, adorei tuas letrinhas, adorei reler o que te respondi, me emocionei ao relembrar as imagens e cheiros de tudo o que vivi na Itália e reforço: o vento ainda vive dentro de mim, e sinto que terei muitas brisas pra me deliciar.
    Beijo grande e até nosso próximo encontro.
    Carla

    uzina - 26 de abril de 2011 reply

    E eu estou adorando o nosso reencontro. 🙂 Beijo grande do afilhado.

  • Barbara Horn Brasil - 27 de abril de 2011 reply

    Oi primo que não vejo também desde pequeno, adorei ler suas palavaras sobre Páscoa e sobre Carla Maria de quem sou muito fã também… um abraço e até logo… Babi.

    uzina - 27 de abril de 2011 reply

    Oi, prima! Tu achou q só a família Horn iria ter inclinação pra arte? Brincadeira, eu tenho que trabalhar muito ainda. 🙂 Saudade de vocês todas! Beijo grande, Juliano Rigatti

  • Regina Jung - 28 de abril de 2011 reply

    Tenho mta admiração pela CArla…orgulho de ser amiga dela…saudade das nossas conversas…sempre gostei mto de ouvi-la, estar perto..dar mtas risadas…dançar com ela…como disse o Afilhado dela …A CARLA É LIBERDADE PRA MIM…sensação de vento na cara….
    AMO VC AMIGAAAAA…NO CORAÇÃO PRA SEMPRE..BJOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *